Acerca da ilha irmã

Gozo, cujo nome significa "alegria" em castelhano, é a segunda maior ilha do arquipélago de Malta, com uma população de aproximadamente 30 000 habitantes.

Apesar de estar separada do território continental de Malta por apenas um trecho de mar de 5 km, Gozo é claramente diferente de Malta. A ilha é um terço do tamanho de Malta, mais rural e mais tranquila. A sua cultura e estilo de vida estão enraizados na tradição, mas, ainda assim, abertos ao presente.

Emanando um ritmo de vida descontraído, Gozo constitui um perfeito refúgio isolado a apenas 25 minutos de ferryboat de Malta, o que permite realizar a viagem mesmo se a estadia for muito breve.

Durante mais de dois milénios, a vida em Gozo era dura, já a ilha estava significativamente mais exposta aos invasores que por ali passavam do que Malta, com os seus portos e defesas naturais. Ao longo da Idade Média e até ao domínio dos Cavaleiros, os corsários da Berbéria e os Sarracenos invadiam frequentemente a ilha. Em 1551, os últimos foram responsáveis por um ataque devastador, reduzindo quase toda a população à escravatura. A ilha nunca recuperou totalmente deste golpe e continuou subpopulada durante séculos até à chegada dos Cavaleiros, altura em que a Cidadela medieval, atual Victoria, foi refortificada e os gozetianos começaram a explorar o resto da ilha.

Gozo e os seus habitantes têm o seu próprio caráter e identidade distintos, com estilos de vida, sotaques e dialetos marcadamente diferentes. Os cidadãos de Gozo são conhecidos pela sua simpatia e caloroso acolhimento, empenhando-se em ajudar qualquer visitante a encontrar o seu destino.

As celebrações das vilas e o Carnaval em Gozo denotam também um ambiente distinto daquele que se encontra em Malta. A vila de Nadur celebra o Carnaval com humor negro, ao contrário das suas contrapartes mais alegres de outras partes do país.

A verdadeira beleza de Gozo, para além da sua deslumbrante paisagem marítima, reside nas vilas. Aqui, parece que o tempo parou. Os locais estimam a sua paz e as vilas são pacatas, oferecendo um agradável descanso do ritmo frenético que muitos dos habitantes urbanos têm de suportar na sua vida diária.

Todas as ruas em Gozo vão desembocar em Victoria, também conhecida por Rabat, onde se situa a cidadela fortificada, no alto do cume da montanha. Victoria é mais do que centro geográfico de Gozo, é também o centro da vida quotidiana. Combina a azáfama do seu mercado com um ambiente descontraído e sociável. É o local perfeito para observar o quotidiano dos habitantes locais, principalmente nos dias em que a praça principal do mercado, It-Tokk, ganha vida. A vila tem também uma vida cultural agitada e característica, com algumas atrações surpreendentes, desde ópera a corridas de cavalos na rua principal no dia de celebração da vila.

Gozo é bem servida de restaurantes, onde a comida é boa e variada. Para além dos restaurantes e cafés com pratos locais e menus continentais, é possível desfrutar também de restaurantes especializados em cozinhas étnicas, como a chinesa ou a indiana. Não lhe faltará por onde escolher em Rabat, Mgarr e nas cidades turísticas de Marsalforn e Xlendí, bem como noutros locais por toda a ilha.

Rapidamente perceberá que é agradável deambular a qualquer altura do dia ou da noite. A sensação de segurança é tangível, e os locais orgulham-se da ausência absoluta de crimes graves e da quase inexistência de roubos. 

Onde ficar

Alugue uma vivenda ou casa rural para experimentar em primeira mão o estilo de vida da vila e, para um toque de luxo, opte por uma com piscina. Outras opções de alojamento incluem desde hotéis de luxo a apartamentos com cozinha. Nunca é difícil encontrar vistas de campo em Gozo onde quer que escolha ficar.