Locais classificados como Património da Humanidade da UNESCO

As ilhas maltesas têm três locais classificados como Património da Humanidade da Unesco. Estes são a cidade de Valeta, os templos megalíticos e o Hipogeu Ħal Saflieni.

No total, existem 7 templos megalíticos nas ilhas de Malta e Gozo, todos resultado de um empreendimento individual. Os dois templos de Ġgantija, na ilha de Gozo, são estruturas que se destacam pelas suas gigantescas estruturas da Idade do Bronze. Os templos de Ġgantija são os monumentos independentes mais antigos do mundo e são um testemunho da existência de habitantes na ilha, pelo menos mil anos antes da construção das famosas pirâmides egípcias de Gizé.

Na ilha de Malta, os templos de Ħaġar QimMnajdra e Tarxien são obras-primas arquitetónicas únicas, tendo em conta os recursos limitados a que os construtores tinham acesso à época. Os templos Ta' Ħagrat e Skorba são exemplos de como era desenvolvida a tradição de construção de templos em Malta. Estes templos fazem parte da lista do Património da Humanidade da Unesco e representam uma tradição arquitetónica única, que floresceu nas ilhas de Malta, entre 3600 e 2500 a.C.

O Hipogeu Ħal Saflieni é um complexo subterrâneo, escavado na rocha, que foi usado como santuário e como local de sepultamento pelos construtores dos templos. Foi descoberto em 1902, durante umas obras de construção. Os três níveis subterrâneos datam dos anos 3600 a 2400 a.C. O monumento é considerado um dos monumentos pré-históricos mais importantes do mundo.

A capital de Malta, Valeta, está indissociavelmente ligada à história da Ordem de São João de Jerusalém, de cariz militar e de caridade. Construída depois do Grande Cerco de 1565 e batizada com o nome do Grão-Mestre Jean Parisot de la Valette, esta cidade fortificada está repleta de centenas de monumentos, todos num espaço relativamente pequeno, tornando-a numa das áreas de maior densidade histórica no mundo.