Gastronomia e vinhos

A cozinha maltesa resulta de uma longa relação entre os ilhéus e as várias civilizações que ocuparam as ilhas maltesas ao longo dos séculos. Esta junção de sabores deu a Malta uma mistura eclética da cozinha mediterrânica. Apesar de existirem restaurantes especializados em vários tipos de cozinhas, existem também muitos outros especializados na cozinha local e que servem versões próprias das especialidades locais.

A gastronomia tradicional de Malta é rústica e baseada nos produtos da época. Experimente a Tarte Lampuki (tarte de peixe), estufado de coelho, Bragioli (rolo de carne recheado), Kapunata, (versão maltesa de ratatouille), e soppa ta'l-armla (sopa da viúva), que é servida com um pedaço redondo de Gbejniet (queijo de ovelha ou de cabra). Em muitos dos balcões de lojas de comida irá encontrar Bigilla, uma pasta espessa de favas e alho. Há aperitivos que não deve deixar de experimentar, nomeadamente o ‘hobz biz-zejt' (uma fatia de pão mergulhada em azeite, coberta com molho de tomate e uma mistura de atum, cebola, alho, tomates e alcaparras) epastizzi (pastel de massa folhada recheado com ricota ou puré de ervilhas).

Faça uma visita ao mercado do peixe Marsaxlokk num domingo de manhã e irá perceber a grande variedade de peixes presente nas águas maltesas. Nas alturas em existe uma quantidade abundante de peixe, poderá encontrar Aljotta (sopa de peixe). Dependendo da época, irá encontrar spnotta (robalo), dott (peixe pedra), cerna (garoupa), dentici (pargo), sargu (sargo) e trill(salmonete). O peixe espada e o atum são apanhados mais tarde, entre o início e o fim do outono, seguidos pelo lampuka ou doirado O polvo e as lulas são utilizados frequentemente para ensopados e molhos para massa.

Maltese Bread and fresh produce

As principais iguarias doces incluem kannoli(tubo de massa frita crocante recheado com ricota), semi-frios ao estilo da Sicília (mistura de bolo, gelado, frutas cristalizadas e natas) e Helwa tat-Tork (torrão de amêndoas).

Malta poderá não ser tão reconhecida pela produção vinícola como os seus vizinhos mediterrânicos, no entanto os vinhos vintage malteses têm garantido o seu lugar no pódio em competições internacionais, tendo já ganho várias distinções em países como França, Itália e muitos outros. As castas internacionais cultivadas nas ilhas incluem Cabernet, Sauvignon, Merlot, Syrah, Grenache, Sauvignon Blanc, Chardonnay, Carignan, Chenin Blanc e Moscato. As castas autóctones incluem a Gellewza e Ghirghentina, que resultam na produção de vinhos excelentes com corpo e sabor distintos.

As principais cooperativas organizam visitas guiadas e provas de vinhos. Dependendo da época, é possível visitar todo o processo de produção, desde a fermentação inicial até ao processo de maturação. Estas visitas incluem ainda visitas a museus da história do vinho e a oportunidade de provar e comprar uma grande variedade de vinhos vintage